Neurose de mim mesmo Malvados Subscribe to my feed

Fernando Pessoa Estou ouvindo

Estou ouvindo

-
Do mais alto prédio o vampiro farejava o ar, sentia o cheiro do medo a quilômetros de distancia e esse medo o deixava cego de sede. Num salto ele desceu por 40 andares num mergulho sem fim, se fosse mortal veria sua vida passar por seus olhos em fração de segundos, mais esse ser das trevas apenas sentia o vento balançar seus cabelos.
Sutileza ao pisar no solo e sair andado, era incrível esse dom que escuridão lhe deu. Seguiu o cheiro do medo e sem demorar chegava ao um quarto onde uma moça tinha uma faca na mão, o vampiro leu seu pensamento e então sem buscar muito viu seus últimos dias e sabia que ela iria se matar mais o medo era enorme. Das sombras o vampiro se revelou a moça, e ela achando que o ser era um anjo que veio lhe ajudar correu em prantos para o braço dele e começou a contar que tinha perdido seu grande amor e queria também estar junto dele. O vampiro lhe tocou a face e disse:

-

- Queres morrer?
E ela respondeu:
- Sim, quero estar com meu amado.

-

E o vampiro sem hesitar tirou sua vida tomando até a ultima gota do sangue dela, compaixão era algo que não sentia quando a sede lhe cegava, queria sempre mais e mais. Quando recobrou o sentidos de ser humano já era tarde e ele já estava a caminho do hotel onde tinha deixado sua verdadeira amada.

Dj
-
Linha
-
Bom fim de semana, Desejo a todas as mães muitas felicidades.
-
Linha
-
  • Confira:

1 Resposta to “Sem medo”

  1. Claudinha Says:

    Olá Dj, quanto tempo! Vampiros de amor, de alma? Hmmm que medo… Beijos e um ótimo domingo! Beijo!

Deixe sua resposta!!