Neurose de mim mesmo Malvados Subscribe to my feed

Fernando Pessoa Estou ouvindo

Estou ouvindo
O Vampiro Rei - Vol. 2

Leia sobre esse livro, clique aqui.

O primeiro capítulo do volume 2 é a continuação do 38º capítulo do vol. 1
-
Capítulo 38
-
Há mais de um minuto o mestre tinha desaparecido da frente de seus olhos, deixando-o só naquele salão mórbido do templo da bruxa. Ainda com a boca suja do sangue que acabara de tomar dos bichos-vampiros, Lúcio mantinha-a aberta, escancarada. A energia de seu rei continuava ali, cercando-o, imobilizando-o feito feitiço. Não podia crer no que seus ouvidos de vampiro tinham acabado de escutar. Cantarzo tinha deixado o templo em uma jornada de libertação.
-
Era a vez dos vampiros. A vez dos vampiros juntarem trinta daqueles seres temidos. Trinta bentos. Trinta guerreiros de luz e trazê-los para a ilha de Marajó. Lúcio sentiu mais uma vez os pêlos de seu corpo eriçarem-se e o impulso de correr ao encalço de seu mestre criador. Conteve-se. As ordens de Cantarzo ainda ecoavam em seu ouvido. Cantarzo tinha-lhe pedido que ficasse guardando o templo e que ficasse de olho na bruxa. Tereza, a dona daquele rincão, deveria ser vigiada. O que se esconderia naquela ordem de seu mestre? Ficar de olhos na bruxa. Será que o vampiro-rei não confiava na mulher? Por quê? Lúcio arqueou as sobrancelhas e olhou para os vampiros-bichos deformados. Talvez fosse aquela a resposta. A bruxa deformava os vampiros. Fazia deles o que bem entendia. Aqueles seres medonhos, de olhos tapados, eram um bom motivo.
-
O lacaio coçou o queixo e andou pelo salão sagrado e olhou para a grande pedra retangular de sacrifícios. Tinha gostado tanto de Tereza. Passou a mão pelo pescoço rememorando o primeiro encontro. Apesar de ter sido arrastado, acorrentado para dentro dos domínios da bruxa, não podia culpá-la. Fora ele quem atirara primeiro. E depois de estar com ela, sentiu confiança. A mulher era poderosa e soube de imediato que tinha meios para cumprir o pedido de seu mestre. De despertar o vampiro-rei. Benito é quem fora o tolo, fugindo feito cão com o rabo entre as pernas. Lúcio franziu o cenho. Para onde teria ido o fujão? Deu de ombros e avançou ao encontro da escadaria curva da sala mística. Tinha de encontrar Tereza e ficar de olho nela. Era o desejo de seu rei.

Deixe sua resposta!!