Janeiro 2007


Ouço o despertar do mundo. Seus olhos se abrindo geram um som praticamente imperceptível para ouvidos não acostumados com sons em baixa freqüência. Mas eu ainda ouço. Ouço o coração do mundo, em seu eterno barulho.
Vejo tudo que não poderia ser visto, independente da vontade alheia. Não, não faço por que eu quero, se pudesse escolher o que eu quero, tudo seria muito diferente.

Interlúdio vulgar…

Penso…

Vejam o homem sobrevoando o globo azul… Suas turbinas jogando óleo no globo azul…

Que se descortine esse assustador novo mundo… Admirável Mundo Novo…