A mulher

Ó Mulher! Como és fraca e como és forte!
Como sabes ser doce e desgraçada!
Como sabes fingir quando em teu peito
A tua alma se estorce amargurada!

Quantas morrem saudosa duma imagem.
Adorada que amaram doidamente!
Quantas e quantas almas endoidecem
Enquanto a boca rir alegremente!

Quanta paixão e amor às vezes têm
Sem nunca o confessarem a ninguém
Doce alma de dor e sofrimento!

Paixão que faria a felicidade.
Dum rei; amor de sonho e de saudade,
Que se esvai e que foge num lamento!

Florbela Espanca - Trocando olhares

5 Comentários »

  1. mana Said:

    on at 8:26 am

    Bill,
    Tenho uma imensa curiosidade de saber quem és tú, me arrisco em antecipar que tens uma sensibilidade estonteante ao elaborar e divulgar os poemas de Florbela, tal como este…

    “Quanta paixão e amor às vezes têm
    Sem nunca o confessarem a ninguém
    Doce alma de dor e sofrimento!”

    Meu carinho especial a um cara chamado Bill.
    Beijo no seu coração.

  2. mana Said:

    on at 11:41 am

    Esta sou eu..é você…somos todas nós mulheres! A verdade na sua essência não tem nenhum reconhecimento, ela não mascara, é a
    única beleza apreciada por poucos, porque não vem acompanhada de adereços.

  3. Elaine caetano Said:

    on at 10:27 am

    to a ver o programa, ALTA DEFINIÇÃO. E me apaixonei pelo teu poema. A MULHER. PARABENS

  4. mykaella katlen da silva Said:

    on at 8:17 pm

    eu gostei muito deste 1 poema que apareceu muito xou adorei vc poema kk princadeira

  5. mykaella katlen da silva Said:

    on at 8:19 pm

    gente agora e verdade eu gostei etc………

{ RSS feed for comments on this post} · { TrackBack URI }

Deixe um comentário

XHTML: Line-breaks are automatic. Available tags are <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>